A dor da perda na Pandemia - Covid -19



É insuportável a dor de uma perda. Qualquer que seja. A frase não estamos preparados para isso nunca foi tão real. Real também é a necessidade de respeitar essa perda. O tempo que vivemos não é fácil. Perder alguém e não poder fazer uma despedida é cruel.

O enlutado terá que ser respeitado. Ele terá que vivenciar isso, elaborar essa perda no seu tempo. E o tempo de cada um é diferente. E como ele vai vivenciar isso a mesma coisa. O ritual de um enterro não é por acaso, ele tem um significado, um sentindo, é uma forma de simbolizar essa perda, fazer assim uma despedida, e ele não terá esse ritual para respeitar sua vontade, isso incluir arrumar a pessoa que perdeu, colocar a roupa de escolha, além de não ter os abraços, ombro, colo das pessoas em sua volta, seja ele amigo, família, ou conhecido de quem partiu que também quer prestar sua homenagem e despedir. Se quer, terá alguém ali, na aquele momento, pois as seguindo as orientações da vigilância, não podem conter aglomeração e o risco de contaminação é grande. No entanto, estipulam um tempo de 30 minutos para que o enterro aconteça, de forma que o caixão é lacrado. Algo real da simbolização da perda, não acontece.

Terão que assim buscar outra forma de ressignificar a morte. Validar a raiva. A perda de uma história para construir outra.

Nós teremos que respeitar essa dor. Teremos que aprender a acolher essa pessoa em meio a um caos. Meio a um isolamento e distanciamento social. E isolamento vai contra todas as indicações nesse momento. E acolher não é impor algo ao outro, não é dar conselhos. É ser gentil, sutil. E dar o silêncio se não souber o que falar. Mas ele tem que se fazer presente.

Nós temos de alguma forma fazer viver na vida dessas pessoas.

Nunca foi tão difícil perder alguém como nesse momento. A dor do enlutado é grande, atrás dos números de morte existem pessoas, vidas e com elas histórias, amigos, famílias, trabalho. Aquela pessoa que você está acostumado a ver, falar, dar risada, fazer planos como de hora para outra se foi.

Imagine você voltando para sua casa e sentir aquele vazio? É um buraco que se abre no chão. É preciso sentir essa dor, ressignificar esse sentimento, e você não precisa passar por isso sozinha.

No meio de tanta tristeza, também aprendemos a nos conectar mesmo que virtualmente com a pessoas, não hesite em fazer um contato, ligue, chore, compartilhe essa dor. Respeite seu luto, seu tempo.

Se for o caso peça ajuda a uma profissional, ele vai saber te acolher, ser um acalento para esse momento.


Fique bem!!


“Mesmo sabendo que um dia a vida a acaba, a gente nunca está preparado para perder alguém”.

Nicholas Spaks

90 visualizações1 comentário

© 2018 by João Alberto Gonçalves Salvador.