Outubro rosa e suas nuances





Entramos no outubro rosa, mês dedicado ao auto exame nas mulheres para identificar possível câncer de mama. Extremamente importante realizar o auto exame também é preciso fazer uma consulta de rotina com seu médico, mesmo que você seja nova, embora pouco divulgado a doença também pode atingir mulher com menos de 30 anos.

Sei do medo que isso gera, muitas podem pensar, “melhor não saber” “está tudo bem comigo, não sinto nada”, “bobeira isso não vai acontecer comigo”, isso é o medo falando mais auto e fazendo que ocorra uma auto sabotagem. Sim, deixar de se cuidar é auto sabotagem, é negligenciar a nossa saúde, mas também me remete a outras coisas, como a desvalorização da vida da mulher. É disso que quero falar também.

Vivemos em uma sociedade extremamente machista, preconceituosa, excludente, vemos cada vez mais mulheres colocadas em cargos inferiores aos homens, mesmo se executar o mesmo serviço o salário nunca é igual.

Quantas de vocês não ouviram “se coloque no seu lugar”, lugar de mulher é na pia”, “cadê minha comida”, “você não presta para nada”, quantos de vocês não foram xingadas no trânsito? Ouviram “piadas”, “mulher não sabe dirigir”, “tinha que ser mulher”, muitos casos acabam gerando violência doméstica, segundo as estatísticas o feminicídio só tem aumentado.

Podemos elucidar outros exemplos como: Quantas de vocês foram ao emprego e na sua ficha vem a pergunta “tem filhos?”, “com quem fica?”, mas o mesmo não acontece com o homem.

E o que tudo isso tem a ver com a campanha do outubro rosa? Bom, primeiro que a mulher tem que ser vista todos os dias, não apenas em datas comemorativas, e o que vemos é justamente o contrário, e assim a sociedade vai determinando qual lugar é da mulher, ela vai sutilmente engolindo a mulher, excluindo, anulando, escondendo mulher de sonhar, viver, ser ela mesma, e principalmente de ser amar. Criam-se estereótipo da mulher perfeita, e esquecem da mulher real.

E com isso, inconscientemente a mulher vai aceitando esse papel imposta a ela, aceitando esses contextos, e deixando de se cuidar, de se amar.

O auto exame além de necessário para a sua saúde, ele também está ligado ao toque, se conhecer, ter prazer em se tocar, fazer do seu corpo propriedade privada e não publica como querem tornar.

Desde cedo você cresce com tabu sexualmente falando, onde a mulher não pode se tocar, conhecer seu corpo. Nossa própria genética também não ajuda, se você tem planos de ter filhos, tem uma certa idade para isso, pois seus óvulos vão envelhecendo, embora que hoje existam métodos para você ter filhos mais tarde, mas isso uma minoria tem acesso pelo valor do tratamento.

Nem isso a mulher escapa de críticas, se você tem filhos muito cedo é condenada pela família e sociedade, mas a gente esquece de fazer trabalho preventivo com os meninos. E muitos ainda se exume da responsabilidade de criar o filho, e fica tudo para mulher.

Minha conversa particularmente hoje, é, com você mulher.

Se ame. Ame seu corpo. Ame sua personalidade. Ame seus defeitos, mas principalmente suas qualidades. As enfatizem por onde andar. Passe seu melhor perfume, use a roupa que quiser, lembre a primeira pessoa que tem que agradar é você, então olhe no espelho e veja a pessoa linda que está refletindo.

Se toque. Toque seu corpo, se conheça, faça uma boa massagem, passe um creme, cuide e ame seu corpo do jeito que ele é. Não existe certo ou errado, “corpo perfeito”, o corpo perfeito é aquele que é cuidado amado, seja ele magro, gordo, baixo ou alto.

O que nós tornamos linda são justamente as diferenças. Cuide-se, priorize-se, ouça essa voz interna que grita como vocês é linda.

Se precisar de ajuda para achar e despertar esse lugar, estou aqui para te ajudar.

Fique bem, faça auto exame.

Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto
Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura
Martha Medeiros

38 visualizações

© 2018 by João Alberto Gonçalves Salvador.